Consisa VRT

Imprensa

Notícias

Em um ano mais de 100 mil pessoas passaram a enxergar melhor no Vale

Crédito da foto: Lívia Oselame

Crédito da foto: Lívia Oselame

A qualidade do melado preparado por dona Clarice Wahlbrink (51) continua a mesma, mas as imagens captadas por seu olhar, são muito mais nítidas de um ano para cá. Ela foi a segunda paciente a ser atendida no primeiro dia de atividades do Instituto de Oftalmologia de Encantado, que hoje (08) completa um ano.

Na fila de espera por uma cirurgia de catarata há 1,4 meses, a agricultora residente em Linha Palmas, em Arroio do Meio, estava fazendo melado para suas rapaduras quando o olho esquerdo fechou totalmente. “Parecia que tinha algo que eu não conseguia tirar”, recorda. Dali em diante, dona Clarice iniciou uma jornada que só chegou ao fim quando o Instituto de Oftalmologia de Encantado retomou as atividades.
Administrado pelo Consórcio Intermunicipal de Saúde (Consisa), o Instituto atende a todos os municípios congregados pela 16ª Coordenadoria Regional de Saúde. Com atendimentos exclusivos para pacientes encaminhados via Sistema Único de Saúde (SUS), o local completa seu primeiro ano de atividades com mais de 17 mil consultas realizadas.

Segundo o presidente do Consórcio, Sérgio Marasca, a comunidade regional tem muitos motivos a comemorar, especialmente o atendimento à demanda considerada reprimida. “Saber que solucionamos o problema de visão de muitas pessoas que aguardavam, há tempo, por um atendimento, nos deixa com o coração aliviado”, resume. Para o secretário executivo do Consisa, Nilton Rolante, a demanda na área oftalmológica sempre existira, “mas a satisfação dos pacientes já atendidos reforça o compromisso da equipe em atender com dedicação e qualidade”, acrescenta.

Para ambos, novos desafios se apresentam diante do início do segundo ano de funcionamento. Conforme Rolante, o hall de entrada precisa ser ampliado de modo a acomodar, com mais conforto, os pacientes e seus acompanhantes. “Cada paciente atendido vem acompanhado de, pelo menos, uma pessoa. O movimento na sala de espera é sempre maior do que a quantidade de pessoas atendidas, por isso, todo o conforto é necessário”, reitera. Se depender do esforço de Marasca, os convênios para o próximo ano deverão suportar as despesas para esta melhoria.

“Sabemos que o momento econômico não é bom, mas buscaremos renovar os contratos com os municípios com um aporte maior de recursos”, estima. Segundo Marasca, além da ampliação da sala de espera, é necessário planejar a disponibilidade de um número maior de cirurgia. “Buscaremos o apoio necessário para que possamos ampliar, sempre, o atendimento e o bem-estar a todos os nossos pacientes e seus familiares”, conclui.

Visão melhor

O atendimento ocorrido no dia 8 de setembro de 2014 a fez sentir esperanças de voltar a enxergar melhor dali para frente. Duas cirurgias foram necessárias para que Clarice Wahlbrink comemorasse o abandono dos óculos de grau e a melhor qualidade de vida. A primeira ocorreu no olho esquerdo, em janeiro deste ano. No mês seguinte, foi a vez do olho direito.

Os dois procedimento realizados em dona Clarice se somam às 1.456 cirurgias de cataratas realizadas pelo Instituto, ao longo do primeiro ano. Conforme a gerente operacional e enfermeira do estabelecimento, Belquise Calvi, o período também foi de aprimoramento e de conhecimento de toda a equipe de trabalho.

“Desde o começo procuramos atender prontamente e com qualidade e presteza no serviço; mas ao longo deste ano, nossos profissionais melhoraram muito em eficiência e organização, o que nos proporciona, hoje em dia, trabalharmos com muito mais tranquilidade, mesmo em casos de urgência e emergência”, revela.

Os números do Instituto
Consultas: 17.544
Exames: 107.239
Cirurgias: 2.088 cirurgias, das quais 1.456 de catarata
Pterígio: 121
OBS: Dados referentes ao primeiro ano de atividades são computados de 08 de setembro de 2014 a 31 de agosto de 2015.


A reinauguração e o início dos trabalhos

O Centro Regional de Oftalmologia, administrado pelo Consórcio Intermunicipal de Saúde (Consisa) foi reinaugurado em 2 de setembro de 2014, mas o início dos atendimentos ocorreu no dia 8. Belquise recorda o primeiro dia de atividades. “Era um tumulto na frente do local, muita gente esperando para ser atendida, e a equipe ansiosa, querendo dar o máximo de si, mas com dificuldade para administrar tanta demanda, todas urgentes, sem perder a qualidade e a atenção individual que cada paciente necessita”.

Segundo a enfermeira, o dia em que o Centro completou um ano de reinauguração deu uma mostra da realidade atual. “Foram 50 pacientes atendidos, sem tumulto, com tranquilidade e muita dedicação para cada um, em suas necessidades”, comemora.

Atendimento nota 10
O jovem agricultor Ronaldo Alves (31) chegou às 11h30min para ser atendido, no último dia 02. Encaminhado pela Secretaria Municipal de Putinga em regime de urgência, ele precisou retirar uma minúscula pedra do olho esquerdo.

Mesmo usando equipamento de proteção individual, Alves foi lesionado durante o horário de trabalho naquele mesmo dia. O atendimento, segundo ele, não levou 40 minutos.

“É a primeira vez que precisei ser atendido aqui, e foi nota 10″, avalia. Conforme Alves, a equipe do Centro Regional de Oftalmologia tem bons motivos para comemorar este primeiro ano.

Saiba mais

Cinco médicos oftalmologistas compõe o quadro de servidores da instituição. Ao lado deles, atuam um médico retinólogo, um anestesista e dois cirurgiões. A equipe de apoio é composta por uma enfermeira, sete técnicas em enfermagem, uma estagiária em enfermagem, três recepcionistas, dois faturistas e uma serviços gerais.

O Instituto Regional de Oftalmologia atende aos municípios que compõem a 16ª Coordenadoria Regional de Saúde. Anta Gorda, Arroio do Meio, Bom Retiro do Sul, Boqueirão do Leão, Canudos do Vale, Capitão, Colinas, Coqueiro Baixo, Cruzeiro do Sul, Dois Lajeados, Doutor Ricardo, Encantado, Estrela, Fazenda Vila Nova, Forquetinha, Ilópolis, Imigrante, Lajeado, Marques de Souza, Muçum, Nova Bréscia, Paverama, Poço das Antas, Pouso Novo, Progresso, Putinga, Relvado, Roca Sales, Santa Clara do Sul, São José do Herval, São Valentim do Sul, Sério, Taquari, Teutônia, Travesseiro, Vespasiano Corrêa e Westfália.

O passo-a-passo

Para que um atendimento ocorra no Instituto Regional de Oftalmologia, o paciente deve cumprir um roteiro em seu município, iniciando pela avaliação do médico da cidade. Detectado algum problema, o profissional irá encaminhá-lo a um oftalmologista. A Secretaria Municipal de Saúde recebe este encaminhamento e contata o Instituto para agendar a consulta.

Na hora marcada, o médico especialista define o diagnóstico, encaminhando o paciente ao procedimento mais adequado, “seja utilização ou renovação de óculos, ou cirurgia, ou reconsulta, depende o caso”, explica a enfermeira. O atendimento no Instituto ocorre somente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), por intermédio dos municípios da área de abrangência.

Em questão

Dr. Lair José Hüning (62), Médico Oftalmologista, coordenador do Instituto de Oftalmologia Encantado

1) O Informativo do Vale – Quais doenças oculares que mais aparecem na nossa região?
Hüning – Eu diria, em termos gerais, que é a necessidade de óculos para as crianças em idade escolar.
Acidentes próprios na agricultura e na indústria, também ocorrem com frequência, visto que é uma região de atividades variadas.
Como é uma população longeva, onde as pessoas vivem muito, aparecem as doenças próprias da senilidade, como a retinopatia Diabética, a DMRI, a catarata senil, a presbiopia, o glaucoma, o pterígio. A vida no sol, o trabalho na agricultura, são fatores que castigam mais os idosos desta região.

2) O Informativo do Vale – É difícil manter, financeiramente, esse empreendimento, considerando que a medicina é, de certa forma, cara, e o tratamento é custeado pelo Sistema único de saúde?
Hüning – Sem dúvida. Nós temos um pais com uma população grande, que evolui, mas que tem carências em diversas áreas, especialmente de saúde e financeira. Uma população que vive mais, que precisa mais e quer mais, exigindo mais investimentos. O conhecimento humano deverá evoluir nos próximos 20 anos o equivalente ao que evoluiu nos últimos dois mil anos. Dados de cientistas da Nasa aponta para revoluções em diversos campos. Na oftalmologia, o homem deverá enxergar mais do que enxerga hoje. Basta ver uma foto de celular avançado, ver no escuro, olho biônico, células troncos. Tudo isso será uma exigência, no futuro, e deveremos buscar formas de viabilizar. Cabe a nós, profissionais e sociedade, nos organizarmos com foco numa mesma direção. Não existe milagre financeiro. Quanto maior a exigência, maior o custo. Teremos que fazer a nossa parte, pois ninguém o poderá fazer sozinho, se queremos que todos cheguem a um verdadeiro bem estar.

3) O Informativo do Vale – O que foi mais desafiador na reabertura do Instituto?
Hüning – Creio que os custos financeiros inerentes à tecnologia e aos profissionais qualificados. Destaco o bom nível de trabalho, disposição e determinação dos 37 prefeitos que fazem parte deste Consórcio Intermunicipal de Saúde. Creio que fazemos parte de um novo tempo e de uma nova forma de governar. Ademais, a contribuição da comunidade regional, dos funcionários determinados e trabalhadores! Temos um time que nos enche de orgulho!

Crédito da notícia: Lívia Oselame
Última atualização: 08 de setembro de 2015 às 10h15min

Consisa-VRT Consórcio Intermunicipal de Saúde do Vale do Rio Taquari

Endereço: Avenida Sete de Setembro - 45
Bairro Florestal - Lajeado - RS
CEP: 95.900-718

Telefone: (51)3710-2706
E-mail: executivo@consisavrt.com.br

Horário de funcionamento:
Seg. à Sexta: 08:00 às 12:00 / 13:30 às 17:30